terça-feira, 14 de outubro de 2008

DESERTO


Secaram os rios dentro de mim, a fonte das lágrimas secou também.
Neste deserto de estar viva, é miragem a frescura de estar bem.
Ao colo te levei pelos caminhos dolorosos, e nos lábios os meus beijos
Eram as gotas de água que que não tinha para te dar.
As minhas velhas mãos eram a sombra que os teus olhos ansiavam
E nos meus braços enterravas as mágoas que ninguém queria.
Hoje... Os teus rios correm cheios do mel que te oferecem
E de braços abertos acolhes o oásis onde te levam a beber
Da água cristalina que eu não soube encontrar!

2 comentários:

kris disse...

morgana,

bom dia...o deserto não dura para sempre..e de tanto andares, vais encontrar água....água pura e cristalina que te vai revitalizar.

beijo

Morgana disse...

Só secou a água dentro de mim...por fora afogo-me....

Beijos