sexta-feira, 31 de outubro de 2008

ESPERO


Teço com os dedos gelados um manto de seda para te cobrir
Das cores que o meu coração veste por ti.
Sei de cor os pontos com que a agulha borda o teu nome
E deixo-te uma gota de sangue em cada um.
Será um dia a mortalha do que sinto e arde e dói em mim
Como os olhos cegos de te procurar no horizonte.

6 comentários:

kris disse...

axas que vale a pena?estar a derramar o teu sangue?dor?amar cegamente não é benéfico. Quando retribuído..aí sim...quando ambas querem a mesma coisa... e quando não é assim...??

Morgana disse...

Quando não é assim fica-se sem saber mais nada...sangra-se por dentro, sorri-se por fora.

O Fantasma e o Anjo disse...

Procuras constantes...beijo e abraço

Morgana disse...

Constantemente se procura o novo alento ou o fim da dor, mas sempre tardam em chegar.

Beijos

O Profeta disse...

A Lua sangra no celeste
Aprisionada está a razão
Olhos sem a virtude da luz
Uma fria pedra no coração

Um banco de jardim
É leito do rei da sarjeta
Almofada de encardido cartão
Acomoda esta carcaça inquieta



Bom domingo



Mágico beijo

Morgana disse...

Obrigada Profeta
"Olhos sem a virtude da luz
Uma fria pedra no coração"

Gostava de não sentir a falta da luz e de não ter uma pedra gelada no coração...mas agora é o que tenho...talvez ainda venha a ser a rainha da sarjeta se esta inquietude se mantiver...

Beijos